CUT divulga calendário de lutas do primeiro semestre de 2017
Reforma da Previdência afetará drasticamente as mulheres
Reforma da previdência de Temer fará trabalhadores contribuir mais e receber menos
Artigo GESEL:
Artigo GESEL:
“Nueva etapa del proceso de integración energética entre Bolivia y Brasil”
Reforma da Previdência vai retirar o direito à aposentadoria pública
aumento da desigualdade extrema
aumento da desigualdade extrema
8 homens têm mesma riqueza que metade mais pobre do mundo
Cemig é condenada a indenizar terceirizados
Reação ao saneamento como negócio
Reação ao saneamento como negócio
DENÚNCIA DE CORRUPÇÃO:
DENÚNCIA DE CORRUPÇÃO:
Envolvendo Cemig e Andrade Gutierrez tem novas evidências
Sem água e sem escolas:
Sem água e sem escolas:
Estado paulista aprofunda gestão desastrosa, criticam entidades
Governo vai privatizar 29 hidrelétricas estatais para pagar juros
Governo vai privatizar 29 hidrelétricas
O reembolso dos consórcios vencedores será realizado por meio das contas de luz, com taxas de juros a 13% ao ano.
1° Feira Nacional da Reforma Agrária
1° Feira Nacional da Reforma Agrária
o poder de produção da agricultura camponesa, é responsável por alimentar 70% da população brasileira.
Nota Técnica nº 147 - DIEESE
Nota Técnica nº 147 - DIEESE
Uma greve em defesa do Brasil!
Uma greve em defesa do Brasil!
A luta contra a privatização da Petrobrás, a defesa da vida e da soberania.
A CPI DO GENOCÍDIO:
A CPI DO GENOCÍDIO:
deve ser uma resposta contra a impunidade que impera no Mato Grosso do Sul.
Porquê apoiar a greve dos petroleiros?
Porquê apoiar a greve dos petroleiros?
A Petrobrás não atendideu as reivindicações da categoria.
MARCHA DAS MULHERES NEGRAS
MARCHA DAS MULHERES NEGRAS
Mês da Consciência Negra traz à tona o debate sobre o racismo no Brasil.
ONU critica projeto brasileiro de lei antiterrorismo
ONU critica projeto brasileiro de lei an
Relatores acreditam que o texto pode ferir liberdades individuais da sociedade.
Tragédia anunciada
Tragédia anunciada
Confira o dossiê completo elaborado pelo MAB sobre o rompimento das barragens da mineradora Samarco.
MEDIDA PROVISÓRIA nº 688, de 2015
MEDIDA PROVISÓRIA nº 688, de 2015
Dispõe sobre a repactuação do risco hidrológico de geração de energia elétrica.
Frente Povo Sem Medo
Frente Povo Sem Medo
Em São Paulo, ato reuniu mais de 50 mil pessoas.
A Vale mentiu:
A Vale mentiu:
A lama das barragens tem concentração de metais até 1.300.000% acima do normal.
Água da Vale chega com querosene
Água da Vale chega com querosene
Primeiro carregamento de água da Vale chega com querosene e é imprópria para consumo.
ODEBRECHT ELEVA PREÇO DE ÁGUA:
ODEBRECHT ELEVA PREÇO DE ÁGUA:
Para a população de baixa renda no sudeste do Pará.
ENERGIA SOLAR
ENERGIA SOLAR
BRASIL CHEGARÁ A 3 MIL MEGAWATTS EM 2018.
MARCHA DAS MULHERES NEGRAS
MARCHA DAS MULHERES NEGRAS
Em marcha histórica, mulheres negras atropelam racistas na Esplanada.
O desastre em Minas:
O desastre em Minas:
E a construção de segurança hídrica no Brasil.
Dia da Consciência Negra
Dia da Consciência Negra
A importância da luta por uma sociedade mais justa e sem racismo.
MARCHA MUNDIAL DO CLIMA
MARCHA MUNDIAL DO CLIMA
CHAMADO PÚBLICO PARA MOBILIZAÇÃO MUNDIAL PELO CLIMA – MARCHA MUNDIAL DO CLIMA.
Megaprojetos na América Latina
Megaprojetos na América Latina
Geram riqueza para acionistas e pobreza para comunidades locais.
'VALE COMANDA A APURAÇÃO DO CRIME
'VALE COMANDA A APURAÇÃO DO CRIME
QUE COMETEU CONTROLANDO POLÍTICOS, VÍTIMAS E JORNALISTAS'
Atingidos trancam entrada de Jirau em RO
Atingidos trancam entrada de Jirau em RO
Os atingidos exigem uma reunião imediata com representantes das empresas, IBAMA e Governo Federal
Leis 'frouxas', seres vivos ameaçados.
Leis 'frouxas', seres vivos ameaçados.
Renato Gaban Lima, afirma que rompimento da barragem em Mariana poderia ter sido evitado.
A catástrofe aconteceu dia 26/04/1986
A catástrofe aconteceu dia 26/04/1986
A “cidade fantasma” de Chernobil ou Chernobyl é muito famosa por ter sido palco do principal acidente nuclear do mundo.
52º dias vitoriosos!
52º dias vitoriosos!
A LUTA CONTINUA!!
Contra a privatização do setor elétrico
Contra a privatização do setor elétrico
O protesto é contra uma possível venda de distribuidoras de energia pela Eletrobras.
En bogota firmes en defensa de la soberania energetica
Não ao PLS 555
Não ao PLS 555
O polêmico PLS, que modifica o chamado "Estatuto das Estatais"
O Brasil em defesa da CELG
O Brasil em defesa da CELG
O objetivo da mobilização é impedir o governo de privatizar a CELG.
Entidades divulgam manifesto
Entidades divulgam manifesto
Em apoio às vítimas da tragédia provocada pela Samarco
MANIFESTO AOS URBANITÁRIOS
MANIFESTO AOS URBANITÁRIOS
Um golpe que é dado também contra investimentos estratégicos do país, como o Pré-sal.
No Anhangabaú, CUT, CTB, Intersindical, e movimentos reunidos nas frentes Brasil Popular e Povo Sem Medo deram o recado
Modelo energético é tema de debate no Acampamento pela Democracia
IFE - Informativo Eletrônico do Setor Elétrico
IFE - Informativo Eletrônico do Setor El
O informativo é elaborado a partir das principais notícias sobre o setor que foram publicadas em diversas fontes de informação, no Brasil e no mundo.
PRIVATIZAÇÃO RADICAL ENVOLVE CORREIOS, ELÉTRICAS E ATÉ A CASA DA MOEDA
Comissão de Infraestrutura vota compensação a usuários por queda de energia
Gás natural amplia competitividade, indica pesquisa

    Notícias

    26/10/2015
    Feira da Reforma Agrária mostra ao país possibilidade de nova forma de produção de alimentos
    Por: MAB Nacional

    Por Maura Silva, da Página do MST

    Fotos: Joka Madruga

    Chega ao fim neste domingo (25) a 1° Feira Nacional da Reforma Agrária. Foram quatro dias em que 800 feirantes acampados e assentados de 23 estados, mais o Distrito Federal, se reuniram para mostrar e comercializar os produtos vindos das áreas de assentamentos da Reforma Agrária. 

    Ao todo, foram vendidas 220 toneladas de produtos espalhados em 800 itens de 80 cooperativas e associações. Cerca de 150 mil pessoas passaram durante os quatro dias de evento, segundo a direção do Parque da Água Branca. Apenas no sábado (24), foram 70 mil pessoas, o segundo maior público da história do Parque. A praça de alimentação contou com 15 cozinhas de todas as regiões do Brasil, onde foram servidas 10 mil refeições. 

    Clique aqui para ver mais fotos sobre a Feira.

    Para Adalberto Oliveira, do setor de produção e comercialização do MST, a Feira demostrou todo o poder de produção da agricultura camponesa, que hoje é responsável por alimentar 70% da população brasileira.

    “Estar em São Paulo apresentando nossos produtos, a maior economia do país, representa muito. Mostramos a sociedade que é possível criarmos um novo jeito de se produzir. Conseguimos dialogar com a sociedade e mostramos que falar é fazer, e o fazer Sem Terra dá resultados. Esse resultado é a produção de alimentos saudáveis, livre de agrotóxicos e acessíveis para toda população brasileira”, afirmou. 

    Para ele, a Feira ainda possibilitou quebrar um estigma criado corriqueiramente pelos grandes meios de comunicação sobre a luta dos Sem Terra.

    “Na maioria das vezes a grande mídia estigmatiza a luta dos Sem Terra desmoralizando os trabalhadores, como se fossem pessoas más. Mas aqui mostramos exatamente o contrário, que as famílias do MST têm um compromisso com a sociedade: o compromisso da produção de alimentos saudáveis”. 

    O aposentado Valdir Antunes, que circulou por esses dias na Feira, também concordou com Oliveira. 

    “Vir aqui foi muito importante, eu pude comprovar de perto que o MST vai além das ocupações de terra. Saber que uma terra vai ser ocupada e vai servir de solo para o alimento que vou colocar em minha mesa, me faz respeitar a luta do Movimento”, acredita.

    Ao ter acesso a produtos de qualidade, a estudante Gabriella Sovagllione destacou sobre o direito negado à população nas gôndolas dos supermercados, e a possibilidade de dar voz às lutas inviabilizadas a sociedade. 

    “A realização da Feira aqui em São Paulo, cidade que eu moro, mas que tem tampado os ouvidos para as lutas sociais, significa muito. Sei o quanto é difícil trazer as pautas das lutas para o cotidiano da população paulista. Esse foi um papel que, na minha opinião, foi cumprido pelo Movimento”.

    Ao final, após agradecer a todos que passaram pela feira e aos que contribuíram na sua construção, João Paulo Rodrigues, da direção nacional do MST, fez uma ressalva que merece destaque: “Aguardem e podem ter certeza, que no ano que vem estaremos aqui novamente com a 2° Feira Nacional da Reforma Agrária”.